19/08/2007

ARG

Cada vez mais os chamados ARGs (alternate reality game) estão sendo realizados como estratégia de marketing na divulgação de produtos para um tipo específico de público. Um ARG é um jogo que mistura realidade e ficção e são caracterizados por envolver seus jogadores nas histórias, fazendo-os interagir com os personagens, explorar a narrativa e resolver desafios que os ajudarão a resolver um determinado mistério, e assim chegar ao fim do jogo, ou seja, é uma espécie de brincadeira de detetive.

Ainda pouco conhecidos no Brasil, os ARGs são muito populares nos Estados Unidos e Europa. Para resolver o mistério da história, os jogadores precisam compartilhar suas descobertas, buscar senhas e códigos que estão escondidos em algum lugar na web.

O primeiro ARG foi realizado em 2001 para divulgar o filme Inteligência Artificial, de Steven Spielberg. O nome Jeanine Salla, terapeuta de máquinas sensitivas, apareceu discretamente nos créditos de um trailer do filme que foi veiculado na Internet, e causou muita curiosidade. Como não existem terapeutas de máquinas sensitivas, os internautas começaram a vasculhar a rede em busca de informações sobre a misteriosa profissional. Foi então que eles chegaram a uma espécie de realidade "paralela", situada no ano de 2142, retratada em uma série de sites que abordavam questões técnicas, filosóficas e sociais relativas ao tema da inteligência artificial, o mesmo explorado no filme.

Já no Brasil, o primeiro ARG foi desenvolvido para divulgar a marca de creme dental Close-Up. O desafio central da história era revelar a identidade da modelo virtual Sete Zoom. Foram criados sites fakes do fã clube da personagem, e-mails falsos, comunidades virtuais, entre outras coisas para tornal a tal modelo uma celebridade na internet. O ponto alto da história foi a publicação de um ensaio sensual da modelo no site "The Girl", que gerou todo tipo de polêmica. Quando a personagem estava no "auge da fama", uma campanha publicitária foi lançada para comunicar que a marca Close-up tinha contratado a modelo para divulgar suas iniciativas online. Apesar dos ARGs ainda engatinharem no Brasil, esse primeiro projeto foi realizado em 2001, pouco depois do que foi citado acima, criado para divulgar o filme Inteligência Artificial, fazendo assim, com que a história da modelo Sete Zoom tenha sido praticamente o segundo ARG da história.

Um exemplo mais recente e bem-sucedido foi o Lost Experience, que ajudou a manter o interesse aceso do público no intervalo de uma temporada para outra, da popular série de tv que conta a trajetória dos sobreviventes do vôo 815 que caíram numa ilha misteriosa. O jogo contava com a personagem Rachel Blake, que não é da série, e que investiga a sombria Fundação Hanso, sutilmente citada no programa como patrocinadora da Iniciativa Dharma. Ao longo da história, Rachel espalhava códigos que deveriam ser encontrados e, quando decifrados pelos jogadores, se transformavam em trechos de vídeos que contavam mais sobre a fundação e a iniciativa. Mas o ponto alto foi a explicação do significado dos tão famosos números 4 8 15 16 23 42 que aconteceu em um dos vídeos. Como é comum em ARGs, foram criados vários sites para fazer parte da história do jogo. Agência de Design Hi-ReS! os assina.

Os alternate reality games chegaram para ficar e se mostram uma forma eficaz de estratégia para atrair um determinado tipo de público. Existe até um site só sobre o assunto. Quem quiser saber mais acesse o site
www.argn.com

Um comentário:

marketrix disse...

Como sempre, o Brasil tá um pouco atrasado, mas a gente vai caminhando...

Abs,
Luciana